O exame aos 12 anos da gestão autárquica de Manuel Moreira

O Marco de Canaveses é aquela que considero a minha terra, onde cresci e passei parte da minha vida. Onde tenho a minha Família e parte dos meus amigos.

Há muitos anos que, por opção pessoal, afastei-me da vida política, mas não foi por isso que deixei de viver com interesse e um forte sentimento o que se passa na minha terra nomeadamente os importantes desafios do nosso futuro colectivo.

Estamos a 6 meses das eleições autárquicas. O PSD governou com maioria absoluta, durante três mandatos, o Marco de Canaveses.

Em 2005 Manuel Moreira apresentou-se aos Marcoenses com um manifesto eleitoral (ver foto abaixo) que tinha por base quatro pilares fundamentais – a Água e o Saneamento, o Ambiente e o Turismo, os cuidados com os Idosos e os incentivos aos Jovens, a dinamização da Economia e a construção de um Pavilhão Multiusos para o Desporto, a Cultura e a Economia.

Este é agora o tempo de fazer o balanço do trabalho autárquico realizado por Manuel Moreira e pela sua equipa ao longo dos últimos 12 anos.

No que diz respeito ao primeiro desígnio da candidatura de Manuel Moreira verificamos que o problema do contrato de concessão com a empresa Águas do Marco continua por resolver. As praias fluviais estão ao abandono. A expansão das redes de água e saneamento avançaram muito pouco. E os esgotos a céu aberto ainda são uma triste realidade em algumas freguesias do concelho.

Por sua vez no que diz respeito ao Ambiente e ao Turismo a poluição no rio Tâmega continua a ser uma realidade, os parques náuticos – dignos deste nome – continuam a ser uma miragem. Nada se conhece sobre a construção do Parque de Campismo Municipal e a implantação de uma Casa da Juventude no Concelho. Nada se sabe sobre a prometida Via Marginal que ligaria Entre-os-Rios e Amarante para captar investimentos hoteleiros de qualidade para as margens do Douro e Tâmega. Ou seja, hoje, se não temos estrada, muito menos hotéis.

Aquela que seria a grande obra dos executivos liderados por Manuel Moreira nunca viu a luz do dia. O Pavilhão Multiusos ficou por fazer. O Marco continua longe do roteiro das grandes produções culturais e desportivas.  No que diz respeito ao desenvolvimento económico os prometidos parques industriais continuam por fazer. O apoio qualificado às empresas não se conhece. Vemos empresas a instalarem-se noutros municípios porque nunca existiu uma politica de atracção de investimento. O Marco convive com um gravíssimo problema de desemprego. Talvez mesmo o maior problema do Concelho.

No que diz respeito ao apoio à terceira idade infelizmente a realidade não é muito diferente do que aquilo que vislumbramos nas outras áreas. O Conselho Municipal da Juventude funciona mal e desconhecem-se as decisões tomadas que concorreram para a melhoria da qualidade de vida dos jovens marcoenses. O projecto da construção da Casa da Juventude morreu tendo sido substituído pela criação de um Espaço Municipal de Juventude sem agenda, sem vida e sem dinamismo. Um espaço destes apenas existe verdadeiramente ser for dinâmico e tiver vida própria geradora de conhecimento, partilha e criatividade. Mas deste espaço pouco ou nada se conhece sendo que a sua existência quase se resume a quatro paredes onde vive tranquilamente o seu mobiliário.

Entendo que a política deve ser um espaço de compromisso com os eleitores, porém hoje passados 12 anos vemos que muito do que foi prometido ficou por fazer. Mas pior ainda. Manuel Moreira e o PSD privilegiaram o acessório em detrimento do essencial. Estes anos foram mais tempo de festas e festinhas, muitos e longos discursos, tempos de muita parra e pouca uva. Uma dúzia de anos de governação para tão pouca realização.

Paulo Vieira da Silva

Manifesto Eleitoral PSD – Manuel Moreira / 2005

Deixar uma resposta